Últimos Posts:

Últimos posts

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

Os ventos de mudanças

Nosso objetivo, como espíritos, é sempre o aperfeiçoamento intelectual e moral, e para que possamos realizar isso, encarnamos várias e várias vezes, até que o nosso objetivo se cumpra.

Mas para que possamos progredir, conforme a Lei do Progresso prevê, não podemos passar nossas vidas estacionados na mesmice e presos em uma zona de conforto.

É por isso que em nossas vidas, em vários e intercalados momentos, sopram os ventos de mudanças.

Algumas vezes, são apenas tomadas de decisões que nos são impostas pela vida e que podem mudar completamente o curso de nossas vidas. Em outros momentos, podem ser verdadeiras tempestades em nossas vidas, em que tudo muda, e sob as mais variadas circunstâncias.

Devemos então lembrar que estamos aqui para progredir, e não para ficar estacionários. Que somos espíritos em evolução.

Aí então, bendizeremos ao Senhor por essas maravilhosas oportunidades de aprendizado e mudanças.

"Será a Terra um lugar de gozo, um paraíso de delicias? Já não ressoa mais aos vossos ouvidos a voz do profeta? Não o proclamou que haveria prantos e ranger de dentes para os que nascessem nesse vale de dores?

Esperai, pois, todos vós que aí viveis causticantes lágrimas e amargo sofrer e, por mais agudas e profundas sejam as vossas dores, volvei o olhar para o Céu e bendizei do Senhor por ter querido experimentar-vos... Ó homens! Dar-se-á não reconheçais o poder do vosso Senhor, senão quando ele vos haja curado as chagas do corpo e coroado de beatitude e ventura os vossos dias? Dar-se-á não reconheçais o seu amor, senão quando vos tenha adornado o corpo de todas as glorias e lhe haja restituído o brilho e a brancura? Imitai aquele que vos foi dado para exemplo. Tendo chegado ao ultimo grau da abjeção e da miséria, deitado sobre uma estrumeira, disse ele
a Deus: "Senhor, conheci todos os deleites da opulência e me reduzistes a mais absoluta
miséria; obrigado, obrigado, meu Deus, por haverdes querido experimentar o vosso servo!"

Até quando os vossos olhares se deterão nos horizontes que a morte limita?
Quando, afinal, vossa alma se decidirá a lançar-se para alem dos limites de um túmulo? Houvésseis de chorar e sofrer a vida inteira, que seria isso, a par da eterna glória reservada ao que tenha sofrido a prova com fé, amor e resignação? Buscai consolações para os vossos males no porvir que Deus vos prepara e procurai-lhe a causa no passado. E vós, que mais sofreis, considerais-vos os afortunados da Terra.

Como desencarnados, quando pairáveis no Espaço, escolhestes as vossas provas, julgando-vos bastante fortes para suportá-las. Por que agora murmurar? Vós, que pedistes a riqueza e a glória, queríeis sustentar luta com a tentação e vencê-la. Vós, que pedistes para lutar de corpo e espírito contra o mal moral e físico, sabíeis que quanto mais forte fosse a prova, tanto mais gloriosa a vitória e que, se triunfásseis, embora devesse o vosso corpo parar numa estrumeira, dele, ao morrer, se desprenderia uma alma de rutilante alvura e purificada pelo batismo da expiação e do sofrimento.

Que remédio, então, prescrever aos atacados de obsessões cruéis e de cruciantes males? Só um é infalível: a fé, o apelo ao Céu. Se, na maior acerbidade dos vossos sofrimentos, entoarem hinos ao Senhor, o anjo, a vossa cabeceira, com a mão vos apontará o sinal da salvação e o lugar que um dia ocupareis... A fé é o remédio seguro do sofrimento; mostra sempre os horizontes do infinito diante dos quais se esvaem os poucos dias brumosos do presente. Não nos pergunteis, portanto, qual o remédio para curar tal ulcera ou tal chaga, para tal tentação ou tal prova. Lembrai-vos de que aquele que crê é forte pelo remédio da fé e que aquele que duvida um instante da sua eficácia é imediatamente punido, porque logo sente as punitivas angustias da aflição.

O Senhor pôs o seu selo em todos os que nele crêem. O Cristo vos disse que com a fé se transportam montanhas e eu vos digo que aquele que sofre e tem a fé por amparo ficara sob a sua égide e não mais sofrera. Os momentos das mais fortes dores lhe serão as primeiras notas alegres da eternidade. Sua alma se desprendera' de tal maneira do corpo, que, enquanto se estorcer em convulsões, ela planara nas regiões celestes, entoando, com os anjos, hinos de reconhecimento e de gloria ao Senhor.

Ditosos os que sofrem e choram!
Alegres estejam suas almas, porque Deus as cumulara de bem-aventuranças.

Santo Agostinho. (Paris, 1863.)"

(Evangelho Segundo o Espiritismo, Cap. V, Item 19)