Últimos Posts:

Últimos posts

quarta-feira, 30 de maio de 2012

As pessoas nas nossas vidas

Acho que as pessoas entram nas nossas vidas pra nos fortalecer, nos ajudar a crescer, pra termos momentos de felicidade.

O tempo que isto demora é relativo...pode durar anos, meses e até dias, mas o que devemos fazer é aproveitar muito aqueles momentos e crescer.

Depois devemos deixar as pessoas saírem de nossas vidas suavemente, sem traumas, dores e sofrimentos.

Agradecer ao Pai por ter dado a oportunidade de ter recebido tal presente e seguir em frente, fortalecido, maduro.

Como disse Jesus: "a felicidade não é deste mundo", então vamos aproveitar estes momentos valiosos e vivenciar ao máximo, retirando todo o aprendizado necessário, todas as oportunidades de se viver bem.

Nascemos sozinhos e morreremos sozinhos.

Devemos aprender a gostar de nossas próprias companhias e viver bem, em paz, com amor próprio, sem a necessidade de se completar com outra pessoa.

Deus une as pessoas por intermédio dos resgates e também pelas afinidades.

Devemos aproveitar mais a companhia do próximo, que pode ser nosso irmão, nossa mãe, pai, vó, vô, tia, vizinho, amigo, colega, enfim, qualquer pessoa.

Eles sempre podem acrescentar muito em nossas vidas.

Como nós a deles.

Um simples olhar, um simples bom dia faz uma diferença tremenda a um coração angustiado.

Experimente cumprimentar as pessoas na rua... terá uma bela surpresa!

Façamos a nossa parte, vamos olhar o próximo, que as vezes é muito próximo, e vamos olha-lo com olhos bondosos, com carinho e atenção.

Que Deus Pai abençoe a todos nós, hoje e sempre!


quinta-feira, 24 de maio de 2012

Não podemos servir a Deus e a Mamon

"Mamon é um termo, derivado da Bíblia, usado para descrever riqueza material ou cobiça, na maioria das vezes, mas nem sempre, personificado como uma divindade."
(Wikipedia)

Quando abrimos os olhos para a espiritualidade e iniciamos nosso processo de mudança interior, vamos expandindo nossa consciência além dos valores que então conhecíamos.

Começamos a ouvir falar de justiça divina, de desapego, de perdão, de caridade, e de tantas outras palavras bonitas, que nem sempre faziam parte de nossas conversas.

Um mundo novo descortina-se diante de nossos olhos.

Mas então, e o "mundo velho", o que fazemos com ele?

"Se a riqueza é causa de muitos males, se exacerba tanto as más paixões, se provoca mesmo tantos crimes, não é a ela que devemos inculpar, mas ao homem, que dela abusa, como de todos os dons de Deus. Pelo abuso, ele torna pernicioso o que lhe poderia ser de maior utilidade. E a conseqüência do estado de inferioridade do mundo terrestre. Se a riqueza somente males houvesse de produzir, Deus não a teria posto na Terra. Compete ao homem fazê-la produzir o bem. Se não é um elemento direto de progresso moral, é, sem contestação, poderoso elemento de progresso intelectual."
(Evangelho Segundo o Espiritismo, Cap XVI, item 7)

"705. Por que nem sempre a terra produz bastante para fornecer ao homem o necessário?
“É que, ingrato, o homem a despreza! Ela, no entanto, é excelente mãe. Muitas vezes, também, ele acusa a Natureza do que só é resultado da sua imperícia ou da sua imprevidência. 

A terra produziria sempre o necessário, se com o necessário soubesse o homem contentar-se. Se o que ela produz não lhe basta a todas as necessidades, é que ele emprega no supérfluo o que poderia ser aplicado no necessário. 
Olha o árabe no deserto. Acha sempre de que viver, porque não cria para si necessidades fictícias. Desde que haja desperdiçado a metade dos produtos em satisfazer a fantasias, que motivos tem o homem para se espantar de nada encontrar no dia seguinte e para se queixar de estar desprovido de tudo, quando chegam os dias de penúria? Em verdade vos digo, imprevidente não é a Natureza, é o homem, que não sabe regrar o seu viver.”"
(O Livro dos Espíritos, questão 705)

Todo aquele passado construído em cima do materialismo precisa ser revisado.

Jesus nos ensinou que não podemos servir a dois senhores, a Deus e a Mamon. Mamon não é somente o dinheiro, mas todo o tipo de materialismo. É aquele materialismo que nos agarramos sem querer soltar.

O dinheiro, os vícios, as imperfeições morais e principalmente o apego às coisas e às pessoas, fazem parte do conceito de materialismo.

Como poderemos amar a Deus de todo o nosso coração e amar ao próximo como a nós mesmos, estando com o coração repleto de orgulho, egoísmo, inveja e cobiça?

Como poderemos nos dedicar a nos tornarmos pessoas melhores, cultivando ainda todo o tipo de vício?

Como poderemos falar sobre a imortalidade e evolução do espírito, se a cada prejuízo material temos um ataque de fúria?

"712. Com que fim pôs Deus atrativos no gozo dos bens materiais?
“Para instigar o homem ao cumprimento da sua missão e para experimentá-lo por meio da tentação.”

a) - Qual o objetivo dessa tentação?
“Desenvolver-lhe a razão, que deve preservá-lo dos excessos.”
Se o homem só fosse instigado a usar dos bens terrenos pela utilidade que têm, sua indiferença houvera talvez comprometido a harmonia do Universo. Deus imprimiu a esse uso o atrativo do prazer, porque assim é o homem impelido ao cumprimento dos desígnios providenciais. Mas, além disso, dando àquele uso esse atrativo, quis Deus também experimentar o homem por meio da tentação, que o arrasta para o abuso, de que deve a razão defendê-lo."

(O Livro dos Espíritos, questão 712)

As coisas materiais são necessárias para a nossa vida terreste, sem dúvidas. É fato que sem elas, nossa experiência terrestre seria incompleta.

As coisas materiais devem servir ao homem, ou seja, serem úteis a ele, e não o único fim e objetivo de suas vidas. São somente instrumento, assim como a enxada é instrumento para o trabalho do fazendeiro, mas não é o único objetivo de sua vida.




Da mesma forma, as pessoas que passam por nossa vida, na posição de amigos, pais, filhos, vizinhos, não são nossa propriedade, mas sim irmãos que nos auxiliam no nosso aprendizado diário, fazendo com que tenhamos mais paciência, mais tolerância e que aprendamos a amar.

Nosso objetivo deve ser sempre o de nos aperfeiçoarmos moralmente, buscando sempre sermos pessoas melhores, mais íntegras e mais amorosas.

O progresso é gradual e a evolução não dá saltos.

Vamos gradualmente executar esse processo de mudança interior, primeiro adquirindo os conhecimentos necessários acerca da espiritualidade e principalmente acerca da Moral Cristã, e em sequência, empenharmo-nos com todas as nossas forças para colocar em prática estes ensinamentos morais que o Mestre Jesus nos deixou há mais de dois mil anos.

Que a paz de nosso Pai esteja sempre presente no coração de todos!

Leitura complementar recomendada:
- O Evangelho Segundo o Espiritismo - Capítulo XVI: Não se pode servir a Deus e a Mamon
- O Livro dos Espíritos - Questões de 702 a 727: Lei de Conservação

sexta-feira, 11 de maio de 2012

A amizade espiritual

Como é bom reencontrar velhos amigos!
Que dirá, quando são amigos de outros tempos?

Vivemos diversas encarnações, em diferentes países, e até em diferentes mundos. E em cada uma delas, temos uma família e temos amigos.

E o que acontece com esses laços depois da morte? Ora, sendo os espíritos imortais, levam consigo esses poderosos laços, que a cada encarnação fortalecem-se mais.

Como não voltamos sempre com o mesmo corpo, torna-se impossível distinguir esses amados irmãos no meio da multidão. Mas temos um sensor do qual eles não podem escapar: nosso coração.

Por mais que não tenhamos nenhuma certeza, nosso coração grita, pula, vibra e comemora a cada reencontro com nossos amigos espirituais.

Quanta felicidade então experimentamos!

Quantas afinidades que vamos descobrindo, que parecem até inexplicáveis! É tão incrível quando conversamos 5 minutos e parece que já nos conhecemos há anos! Quando as afinidades se manifestam, conversamos por horas e perdemos a noção do tempo!

Deus que é sábio e misericordioso, permite que aqui nos reencontremos para nos sustentarmos nas adversidades da vida: uns ensinam, uns puxam as orelhas, outros consolam, outros motivam e, assim, vamos colaborando uns com os outros.

E então o amor irradia-se de nosso coração, em todas as direções! Esse amor que nos atrai uns aos outros, e que principalmente, nos permite aproximar daqueles irmãos mais fechados emocionalmente. Esse amor que torna qualquer dia triste em um dia radiante!

Vamos aprendendo a soltar o amor, a liberar todos esses bons sentimentos que nossa "couraça protetora emocional" não permitia estravazarmos. Vamos aprendendo a amar não somente aqueles que nos amam, mas também a conquistar novos corações.

Vamos na prática, começando a entender os ensinamentos do Cristo!

Como o amor opera maravilhas! O que seria de nós sem esses amigos de longa data para nos despertar esse poderoso e magnífico sentimento?

E não falo aqui só dos encarnados! Quantos devotados amigos desencarnados trabalham "do lado de lá", nos supervisionando, nos protegendo, orando por nós, pelo sucesso de nossa missão, nos aguardando esperançosos, com o coração cheio de amor!

O amor está por toda parte: tudo une e dá movimento ao universo. E, principalmente, é o nosso contato mais íntimo com o Onipresente Criador.

Vamos amar, vamos nos permitir ser amados. Vamos desfrutar dessas amizades de longínquos tempos, e vamos, com esse amor, penetrar em novos corações, espalhando o amor de nosso Pai por toda a parte,  fazendo assim, o evangelho do Cristo materializar-se na Terra.

Obrigado, Pai Onipotente, por tantas bênçãos!


Post dedicado à minha esposa Márcia, e aos fiéis amigos e companheiros de jornada: Ricardo, Fernando, Madeira, meu amado espírito protetor, e todos os outros que aqui faltaria espaço para listar.

quinta-feira, 10 de maio de 2012

Mudarmos hoje para construirmos um amanhã melhor

Cada vez mais tenho refletido sobre a importância dos ensinamentos da doutrina espírita, principalmente no que diz respeito a nossa mudança de comportamento, pois quando nos dispomos a nos modificarmos e acendermos a nossa luz interior, temos que lembrar que isso irá demandar esforço, coragem e perseverança.

Lembrando que ainda estamos ligados ao nosso passado delituoso e aos compromissos com aqueles irmãos que prejudicamos anteriormente, que hoje solicitam nosso auxílio, e que nem sempre estamos dispostos a isso.

Portanto, começar a semeadura do bem é de vital importância, firmando nosso proceder no caminho reto, dando bons exemplos, tendo boa vontade para com os irmãos que caminham ao nosso lado em mais essa jornada terrena, pois somos os únicos responsáveis pelo nosso desenvolvimento moral, já não podemos responsabilizar ou outros irmãos, nem o Criador pelos nossos sofrimentos.

Quanto maior for o nosso empenho em buscar o caminho indicado pelo mestre Jesus, mais força encontraremos para darmos curso a nossa tarefa de libertação, tenhamos a certeza que os bons espíritos estarão sempre ao nosso lado nos ajudando e nos intuindo para conseguirmos vencer as dificuldades que surgirão.

Hoje temos uma nova encarnação para fazermos o bem que deixamos de fazer outrora, é uma verdadeira dádiva do Pai para conosco, aproveitemos bem o nosso tempo aqui neste mundo, tenhamos a certeza que o bem sempre triunfará e um dia poderemos viver num mundo melhor onde todas as nossas ações estarão em harmonia com as leis divinas.

"O mundo muda quando eu mudo de atitude"

Que Jesus ilumine nossos caminhos .... Paz e Luz !

quarta-feira, 9 de maio de 2012

Lição de motivação - Arthur Boorman

Ele não podia mais andar.

Foi militar pára-quedista e lesionou severamente os joelhos e as costas.

Os médicos disseram que ele jamais voltaria a andar.

Muitos professores de Yoga disseram não para ele.

Um deles disse SIM.

Veja o resultado, o vídeo inteiro é surpreendente:


Quanta determinação! Que sirva de exemplo para nós todos!

Divulguem!

terça-feira, 8 de maio de 2012

Vamos semear!

Hoje é dia de semear!

Vamos pegar todas nossas sementes (virtudes) e semeá-las no solo fértil da vida!

Vamos logo, não deixemos nenhuma guardada!

Cuidado com as ervas daninhas (defeitos)!

Estas não podem vigorar!

O Fazendeiro (Jesus) com amor aguarda a germinação de nossas sementes!

Plantemos com carinho as boas sementes, para que possa nascer o bom fruto!

E assim, poderemos chegar com cestas cheias de frutos e grãos para o banquete com esse amoroso Fazendeiro!

Quanta felicidade experimentaremos!

E aí então veremos que os calos nas mãos e o sol quente na cabeça (dificuldades da vida), valeram à pena!

Paz e luz!

segunda-feira, 7 de maio de 2012

O pensamento, os atos e a intenção

Amados irmãos, após um breve período sem posts, retomamos hoje estudando mais alguns pontos esclarecidos pela maravilhosa Doutrina Espírita.

É de consenso geral entre os homens que cada um é reponsável por suas atitudes. Tanto é, que a justiça humana prevê punições à todos aqueles que cometerem atos em desacordo com a constituição de seu país.

Mas nossa responsabilidade não fica somente no campo das ações.

Sendo os seres humanos seres emocionais e inteligentes, nota-se que a ação é muitas vezes só o final de um processo, que iniciou-se muito antes, na mente.

Diversos filmes trazem aquele roteiro clássico: um homem que durante meses (ou até mesmo anos) planeja um grandioso assalto à banco. Quando o faz, o assalto dura apenas alguns breves minutos, pois foi planejado durante meses.

Imaginemos agora este mesmo assaltante hipotético do filme. Se na véspera do assalto, o mesmo fosse atropelado, ficando internado e impossibilitado de realizar tal ato, seria ele culpável?

Aos olhos da justiça dos homens, não seria culpado, pois não cometeu nenhuma ação em desacordo com a constituição. Entretanto, aos olhos da justiça divina, ele seria culpável, pela intenção que teve de realizar este ato, que só não foi realizado devido ao atropelamento.

Com o Espiritismo aprendemos que somos responsáveis não só por nossas ações, mas também por nossos pensamentos, e principalmente, pelas nossas intenções.

Quantas vezes acontece, no dia-a-dia do trânsito das grandes cidades, pequenos conflitos onde acontecem as mais variadas ameaças de morte?

"A verdadeira pureza não está somente nos atos; está também no pensamento, porquanto aquele que tem puro o coração, nem sequer pensa no mal. Foi o que Jesus quis dizer: ele condena o pecado, mesmo em pensamento, porque é sinal de impureza."
(Evangelho Segundo o Espiritismo, capítulo VIII, item 6)

A intenção é que pode condenar ou santificar TODOS os nossos atos.


Imaginemos dois homens. O primeiro, atira-se em um rio para salvar uma pessoa que se afoga. Não consegue salvar-se e morre afogado. O segundo, achando muito difíceis as tribulações da vida, amarra um peso ao corpo e atira-se de uma ponte, suicidando-se.

Ambos morreram afogados, por uma ação feita por eles mesmos (pular da ponte). São ambos culpáveis? Não, pois enquanto o primeiro teve a intenção de salvar uma vida, o outro teve a intenção de dar fim à sua própria vida. Portanto, o primeiro teve uma ação meritória, enquanto que o segundo teve uma ação culpável.

Por isso dizemos que todas as ações, começam no pensamento. Aquele que fica por dias maquinando um delito, pensando em cada um dos detalhes que vai cometer, e se na hora H não o comete por qualquer razão que não seja o arrependimento (como o exemplo do ladrão que foi atropelado), este já é culpado, porque teve toda a intenção declarada de fazer, e não o fez porque foi impedido.

Isto vale para tudo: um crime, um adultério, uma agressão física, um suicídio, uma vingança, e toda e qualquer má ação que tivermos a intenção de fazer.

Já dizia Jesus: "Não cometereis adultério. Eu, porém, vos digo que aquele que houver olhado uma mulher, com mau desejo para com ela, já em seu coração cometeu adultério com ela." (S. Mateus, cap. V, vv.27 e 28.).

Sendo já o pensamento culpável, o ato subsequente é ainda o agravante, pois não só se planejou o mal, como friamente o foi colocado em prática.

"7. Esse principio suscita naturalmente a seguinte questão: Sofrem-se as conseqüências de um pensamento mau, embora nenhum efeito produza?

Cumpre se faça aqui uma importante distinção. À medida que avança na vida espiritual, a alma que enveredou pelo mau caminho se esclarece e despoja pouco a pouco de suas imperfeições, conforme a maior ou menor boa-vontade que demonstre, em virtude do seu livre-arbítrio. 


Todo pensamento mau resulta, pois, da imperfeição da alma; mas, de acordo com o desejo que alimenta de depurar-se, mesmo esse mau pensamento se lhe torna uma ocasião de adiantar-se, porque ela o repele com energia. É indício de esforço por apagar uma mancha. Não cederá, se se apresentar oportunidade de satisfazer a um mau desejo. Depois que haja resistido, sentir-se-á mais forte e contente com a sua vitória.

Aquela que, ao contrário, não tomou boas resoluções, procura ocasião de praticar o mau ato e, se não o leva a efeito, não é por virtude da sua vontade, mas por falta de ensejo. E, pois, tão culpada quanto o seria se o cometesse.

Em resumo, naquele que nem sequer concebe a idéia do mal, já há progresso realizado; naquele a quem essa idéia acode, mas que a repele, há progresso em vias de realizar-se; aquele, finalmente, que pensa no mal e nesse pensamento se compraz, o mal ainda existe na plenitude da sua força. Num, o trabalho está feito; no outro, está por fazer-se. Deus, que é justo, leva em conta todas essas gradações na responsabilidade dos atos e dos pensamentos do homem."

(Evangelho Segundo o Espiritismo, capítulo VIII, item 7)

Portanto, vigiemos nossos pensamentos, para que não cometamos erros. Empenhemo-nos na intenção de fazer o bem e de repelir nossas más inclinações. Assim, já estaremos iniciando o processo de nossa mudança interior.

Fica a sugestão de estudo: Evangelho Segundo o Espiritismo, Capítulo VIII - "Bem Aventurados os que têm puro o coração".