As várias formas de apego


 O apego é um dos maiores entraves à nossa evolução.

Ele atua como uma âncora, nos impedindo de seguir em frente, por mais que tentemos.

O apego mais comum é aquele dedicado ao materialismo, aos bens terrenos e às paixões terrenas. Esse tipo de apego nos afasta do nosso desenvolvimento espiritual, nos mantendo muito presos à vida terrena.

Para que possamos evoluir, é necessário que nos lapidemos através do desenvolvimento de nossas virtudes e da eliminação de nossos defeitos. Como faremos isso se estivermos pregados ao mundo material?

Como iremos eliminar nossos vícios se o nosso apego por eles é mais forte que a vontade de vencê-los? Como iremos cuidar de nosso espírito se nosso apego aos bens terrenos é mais forte que o desejo de trabalharmos nossas virtudes?

É impossível subir a escadaria da evolução com uma mochila cheia de pedras. É preciso que nos livremos dessas pedras para que a escalada se torne viável.

Também existe o apego às pessoas. Neste caso não só fazemos mal a nós mesmos como também aos outros.

É aí que residem o ciúme e a posse, elementos corrosivos para qualquer tipo de relação.

Este tipo de apego impede que sigamos em frente com a nossa vida após o término de relacionamentos ou o falecimento de alguma pessoa querida. Também cria relacionamentos abusivos onde o ciúme cria verdadeiras distorções mentais da realidade, resultando em crimes nos casos mais graves.

Porém o apego que é pouco mencionado, mas que representa um grande entrave à evolução é o apego às idéias.

Idéias cultivadas por diversas encarnações cristalizam-se em nosso ser, as quais tomamos como nossas verdades pessoais inquestionáveis.

Imaginemos uma pessoa que por diversas encarnações, em diversas épocas, participou de muitas guerras e poucas vezes teve outra ocupação que não a de soldado. Essa pessoa vivenciou tanto a violência que é provável que veja sempre a violência como único meio de resolver conflitos. A diplomacia a ela lhe soa como fraqueza e fracos lhe parecerão todos aqueles que não resolverem seus problemas através do conflito.

Como é que essa pessoa aprenderá a pagar o mal com o bem sem antes desapegar-se desta idéia cristalizada? Torna-se impossível evoluir enquanto mantiver essa âncora no passado.

E é assim que vamos vendo um mundo com tanto ódio, tanto preconceito, tanto retrocesso. Porque nós ainda estamos apegados à muitas idéias ultrapassadas, que nos impedem de abraçar o progresso.

Enquanto que refletimos sobre o quanto estes três tipos de apego são nocivos, ficamos estupefatos quando percebemos que é muito comum que os três andem sempre juntos.

Somos pessoas tão endurecidas que escolhemos arrastar as correntes do apego em vez de seguirmos uma nova jornada.

Até quando permaneceremos nesta situação? Já não tivemos o bastante disso?

Porquê insistir em uma conduta que não nos traz nenhuma felicidade?

É essencial que reflitamos sobre este tema, e mais importante ainda que façamos uma auto-análise e vejamos o quanto ainda somos apegados às coisas, às pessoas e às idéias. Porque é somente através do auto-conhecimento que poderemos identificar aqueles defeitos que nos impedem de crescer.

Desapegue-se já, para que possas alcançar vôos mais altos rumo à felicidade plena.

Comentários

Posts mais visitados

O óbolo da viúva - a verdadeira caridade

Os tormentos voluntários

10 coisas que aprendi com o Espiritismo

A preguiça também é uma falha moral

Fora da caridade não há salvação - A cada um segundo suas obras

Caridade, perdão e humildade

Não podemos servir a Deus e a Mamon

Como (e por que) me tornei espírita

Não torne seus problemas maiores do que são

A parábola do filho pródigo - e o que ela revela sobre nós