Últimos Posts:

Últimos posts

segunda-feira, 18 de maio de 2015

O esquecimento do passado

Porque não nos lembramos das nossas encarnações anteriores?

Eis aí uma boa pergunta.

Mas antes de nos aprofundarmos no tema, vejamos o que diz O Evangelho Segundo o Espiritismo sobre isso:

"11 – É em vão que se aponta o esquecimento como um obstáculo ao aproveitamento da experiência das existências anteriores. Se Deus considerou conveniente lançar um véu sobre o passado, é que isso deve ser útil. Com efeito, a lembrança do passado traria inconvenientes muito graves. Em certos casos, poderia humilhar-nos estranhamente, ou então exaltar o nosso orgulho, e por isso mesmo dificultar o exercício do nosso livre arbítrio. De qualquer maneira, traria perturbações inevitáveis às relações sociais.

O Espírito renasce freqüentemente no mesmo meio em que viveu, e se encontra em relação com as mesmas pessoas, a fim de reparar o mal que lhes tenha feito. Se nelas reconhecesse as mesmas que havia odiado, talvez o ódio reaparecesse. De qualquer modo, ficaria humilhado perante aquelas pessoas que tivesse ofendido.

Deus nos deu, para nos melhorarmos, justamente o que necessitamos e nos é suficiente: a voz da consciência e as tendências instintivas; e nos tira o que poderia prejudicar-nos.

O homem traz, ao nascer, aquilo que adquiriu. Ele nasce exatamente como se fez. Cada existência é para ele um novo ponto de partida. Pouco lhe importa saber o que foi: se estiver sendo punido, é porque fez o mal, e suas más tendências atuais indicam o que lhe resta corrigir em si mesmo. É sobre isso que ele deve concentrar toda a sua atenção, pois daquilo que foi completamente corrigido já não restam sinais. As boas resoluções que tomou são a voz da consciência, que o adverte do bem e do mal e lhe dá a força de resistir às más tentações.

De resto, esse esquecimento só existe durante a vida corpórea. Voltando à vida espiritual, o Espírito reencontra a lembrança do passado. Trata-se, portanto, apenas de uma interrupção momentânea, como a que temos na própria vida terrena, durante o sono, e que não nos impede de lembrar, no outro dia, o que fizemos na véspera e nos dias anteriores.

Da mesma maneira, não é somente após a morte que o Espírito recobra a lembrança do passado. Pode dizer-se que ele nunca a perde, pois a experiência prova que, encarnado, durante o sono do corpo, ele goza de certa liberdade e tem consciência de seus atos anteriores. Então, ele sabe por que sofre, e que sofre justamente. A lembrança só se apaga durante a vida exterior de relação. A falta de uma lembrança precisa, que poderia ser-lhe penosa e prejudicial às suas relações sociais, permite-lhe haurir novas forças nesses momentos de emancipação da alma, se ele souber aproveitá-los.
"

Nós, como bons curiosos que somos, sempre ficamos imaginando o que teríamos sido em encarnações anteriores. Grandes conquistadores? Filósofos? Cientistas? Soldados? Procurando nisso alguma resposta para quem somos hoje, numa expectativa de que essas informações revelem muitas coisas sobre nós.

Mas será que não é somente o orgulho que nos faz desejar tanto uma posição ilustre em vidas anteriores? Quem desejará ter sido o mendigo, o aleijado, o escravo ou o assassino?

Vejamos que Deus, em sua infinita sabedoria, nos dá a cada dia a chance de fazer um novo começo em nossas vidas. E a cada encarnação, nos dá a maravilhosa oportunidade de deixar todo o passado para trás e tentarmos de novo, do zero.

Mas sem o esquecimento do passado isso não seria possível. Como construir um novo futuro se ficarmos olhando o tempo todo para trás?

Entretanto o nosso passado não está esquecido, está apenas bloqueado em nossas lembranças, temporariamente. Mas quem somos, se manifesta em cada um dos nossos atos: nossas virtudes e nossos defeitos nos revelam. Nossas tendências para o bem ou para o mal nos dão pistas sobre os caminhos já trilhados.

Eis porque o motivo de um dos mais antigos princípios filosóficos ser: "conhece-te a ti mesmo".

Quando nos conhecemos, após muita auto-análise, vemos nesse conjunto de características a pessoa que somos. E então sabemos o que é necessário ser mudado.

Quando iniciamos uma nova encarnação, temos a fase da infância, onde nossos pais fazem todo o possível para nos educar e guiar no caminho correto. À medida que os anos passam, nossa personalidade vai gradualmente se sobressaindo, culminando no turbilhão chamado adolescência.

É aí que o "velho eu" se encontra com "atual eu", e ambos possuem valores distintos. O "velho eu" quer se impor por sua longa experiência, enquanto que o "atual eu", munido de novos conhecimentos, tenta criar uma nova realidade. Eis o motivo de tantos conflitos internos nessa fase da vida.

De acordo com o nosso livre arbítrio, poderemos ceder e voltar a ser o "velho eu", permanecendo em estagnação. Ou poderemos encarar o novo e começar a construção de um "novo eu", que quer ser diferente, melhor.

Como isso seria possível se não tivéssemos o esquecimento do passado? Como nossos pais nos dariam uma educação diferente, se já estivéssemos carregados de velhos valores? Teríamos algum caminho diferente para escolher?

E qual seria a confusão, se o atual pai foi nosso inimigo em outra encarnação? E se a atual mãe foi esposa em outra encarnação? E vice versa. E se os nossos irmãos foram nossas vítimas no passado? Como haveria paz e amor em uma família completamente bagunçada?

Eis porque é necessário deixar o passado para trás. Sem isso, não há um novo começo.

Quem sabe se o inimigo de hoje não será o nosso melhor amigo de amanhã? Quem sabe se o conhecermos em situações diferentes, veremos traços diferentes de sua personalidade que em vez de nos repelir, nos encantam? Agora podemos teimar e dizer que isso jamais acontecerá.

Ainda bem que não lembraremos de ter dito isso.

Como em tudo, Deus dá as ferramentas para que seus filhos façam um novo começo. A cada encarnação. A cada dia que nasce. A cada hora que marca o relógio.

Mas não adianta termos essas oportunidades se ficarmos agarrados ao passado e reclamando que Deus não faz nada por nós.

A cada instante um "novo eu" pode nascer. Que tal agora?


Um comentário:

  1. No Blog Amigos da Luz podemos ver vários vídeos engraçados que explicam várias situações da espiritualidade, tendo um vídeo também sobre esquecimento do passado.
    Muito interessante.
    http://amigosdaluz.com/index.php/videos/esquetes-espiritas/prece-com-pressa
    Curtam, lá.

    Trevisan estás de parabéns pelo texto!
    Abraço!

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário acerca do post acima.