Últimos Posts:

Últimos posts

quarta-feira, 21 de agosto de 2013

Reflexão sobre o texto "A chama sagrada"

Recebi a poucos dias este texto, que achei muito interessante. É uma parábola da qual podemos tirar várias lições. Como de costume, segue o texto e depois o nosso comentário:

"Os anjos, arcanjos e querubins mais elevados na escala angélica estavam começando a ficar preocupados com a situação trágica do nosso mundo. A humanidade passava por muitas guerras, fome, doenças, sofrimento, desespero e vazio espiritual. Foi então que decidiram recrutar anjos iniciantes para dar conta de realizar todo o trabalho do plano divino na Terra. Mas antes de estrear suas tarefas nas plêiades angélicas do bem, os anjos nascentes deveriam passar por uma prova a fim de demonstrarem suas capacidades. Analogamente aos estudos humanos, uma espécie de prova final para poder cursar a série seguinte.

Um dos anjos iniciantes deveria então atravessar uma provação, uma iniciação ao reino angélico, que o faria galgar ao status de Anjo do Senhor. Ele estava ansioso por se tornar logo um anjo e começar sua jornada no bem, mas antes precisava provar a sua glória e sabedoria. Após o início da provação, vários arcanjos, serafins e querubins se reuniram e invocaram o gênio do fogo, que trazia a chama sagrada para o aspirante a anjo. Os anjos pediram ao aspirante que colocasse suas mãos em forma de concha e estivesse pronto para receber o fogo divino.


Nesse momento, o Gênio do fogo concedeu uma parcela do fogo sagrado ao aspirante, sem que a chama do gênio se apagasse. O gênio foi embora e os anjos disseram: “Esta chama representa a luz da sabedoria, que ilumina as trevas e dá alento a vida espiritual das almas. Agora vá seguindo o teu caminho e faça o uso desta chama sagrada, desta luz divina como você achar melhor”.
 

O aspirante a anjo viu uma estrada se abrindo a sua frente e foi seguindo por um caminho bastante escuro. Esse caminho representava boa parte da atmosfera espiritual do nosso mundo; um clima escuro, pesado e hostil. Mesmo percorrendo esse caminho de trevas, ele sentia-se bem e orientado, pois enxergava tudo a sua volta com clareza e lucidez. Foi então percorrendo por estradas e vales, e no caminho começaram a aparecer várias pessoas necessitadas, carentes e em sofrimento, lhe pedindo um pouco da luz que ele carregava em suas mãos. Conforme as pessoas iam passando e pedindo luz, ele ia dando um pouquinho da chama sagrada a cada alma carente. Conforme ia prosseguindo, mais e mais pessoas vinham a ele e pediam um pouco da chama em suas mãos.
 

No entanto, o anjo observou que, após algum tempo,quanto mais dava o fogo sagrado que iluminava seu caminho, mais a chama ia diminuindo de tamanho. O anjo aspirante deu mais algumas porções de luz e agora caminhava com uma pequena faísca, e quase não podia ver o caminho. As trevas começavam a tomar conta de tudo, e ele sentiu um certo temor. Então iniciou-se um diálogo interno “Devo dar a última faísca de luz que ainda possuo? Não seria melhor guardar essa porção luminosa para que eu também não mergulhe nessa escuridão aterradora?”. Com a possibilidade de perder sua última partícula do fogo, que o aquecia e iluminava nas densas trevas que percorria, ele começou a cogitar ficar com a faísca, mas ainda estava em dúvida.
 

Este dilema foi sufocando o aspirante conforme ele seguia sua jornada. De repente, surgiu uma velha senhora a sua frente, e lhe pediu a luz que sobrara. O anjo titubeou, refletiu, lembrou-se dos ensinamentos espirituais, e num ato de sacrifício, deu sua última parcela do fogo, o último ponto luminoso que restara. Ficou então em escuridão total.
 

Eis que, dentro de si mesmo, começou a brilhar uma chama, a mesma chama sagrada que havia recebido do gênio do fogo na presença dos anjos. Sentiu uma espécie de calor sutil em seu peito, e notou que o fogo, que antes estava em sua mão, começara a nascer de dentro dele; seu próprio interior era a fonte da chama sagrada. Nesse momento, tudo a sua volta começou a ficar maravilhosamente iluminado e aquecido.
 

Percebeu então que, ao seu redor, estava rodeado de um coro repleto de centenas de anjos que acompanhavam todos os seus passos, do início ao fim desta jornada. O aspirante entendeu que os anjos jamais o abandonaram, mas estiveram ali o tempo todo, zelando por ele e observando suas reações diante do desafio imposto. O Anjo do Senhor proferiu as seguintes palavras:
- Venceste a prova do egoísmo e entregaste tudo o que lhe restava da chama sagrada da sabedoria para quem lhe pediu, mesmo tendo a impressão que ficaria sem ela. Se o egoísmo tivesse vencido, cairias neste vale escuro e ficarias sem luz, tal é o estado de boa parte da humanidade. Confiaste em Deus e provaste a ti mesmo que se entrega completamente no caminho do bem, jamais fica desassistido e sem luz. A chama sagrada que antes era exterior a ti, agora arde em teu próprio interior, pois demonstraste a superação diante do egoísmo que impera em quase toda a humanidade. Observe que todos nós, anjos, arcanjos e todas as hostes celestiais, possuímos uma chama sagrada em nosso coração. Da mesma forma que uma vela, ao acender outra vela, não perde a sua chama, também os seres humanos e os anjos, quando transmitimos nossa luz, não a perdemos, ao contrário – a luz só se expande. Vamos acendendo a luz de cada pessoa com eles. Quanto mais damos sabedoria e amor, mais eles se intensificam. A sabedoria e o amor são diferentes das coisas materiais. Quando damos um objeto a alguém, ficamos sem ele. Mas quando doamos amor e sabedoria, não os perdemos. Agora possuis algo que nenhum ladrão pode roubar; que ninguém pode destruir; que as correntezas do tempo não degradam. Podem levar tudo de ti, até mesmo tua vida física, mas a sabedoria e o amor, jamais pode ser perdida. Cuida apenas, como disse Jesus, em não dar pérolas aos porcos. Mas distribua tua luz entre todos, sempre dentro de capacidade individual de cada pessoa em acolhê-la. Agora finalmente és um anjo na Terra.
"
Autor: Hugo Lapa

Esta parábola nos lembra a parábola do óbolo da viúva. Nela, a viúva não dá o seu lucro, mas sim tudo o que tem. Da mesma maneira, o aspirante a anjo dá toda a sua chama, e não só a sua chama excedente.

Ambas as parábolas nos ensinam sobre a verdadeira caridade.

Darmos do nosso excedente é muito fácil e não representa nenhum esforço e nenhuma privação para nós.

Isso não significa que a verdadeira caridade é vendermos tudo o que temos e doar o dinheiro para a caridade. Longe disso.

A caridade real, que Jesus sempre exemplificou e ensinou, foi a caridade integral. Jesus não tinha dinheiro para dar aos pobres, mas ele doava a si mesmo, auxiliando de todas as maneiras que podia.

Precisamos portanto, ajudar ao próximo por todos os meios possíveis, seja ajudando a pintar a casa, ajudando a carregar uma sacola, oferecendo um ombro amigo, ligando para saber como a pessoa está, e assim por diante.

Isso sim é a verdadeira caridade: é estar o tempo todo e por todos os meios buscando ajudar ao próximo.

O tempo que desperdiçamos pensando em bobagens inúteis, podemos utilizar para ficar atentos e percebermos as oportunidades de sermos úteis.

No texto, o aspirante a anjo vacila em dar a sua última chama. Mas após refletir sobre tudo o que aprendeu, decide beneficiar ao próximo com essa pequenina chama que lhe restava. Neste momento, sua abnegação e seu amor foram tão grandes que sintonizou-se completamente com Deus, e isso fez com que brotasse uma nova chama em seu coração.

Toda boa ação sincera e desinteressada nos aproxima de Deus. Quando a quase totalidade de nossas ações forem nessa direção, estaremos seguindo o exemplo deixado pelos grandes missionários da paz: Francisco de Assis, Mahatma Ghandi, Dalai Lama, entre outros.

Quando optamos por seguir a doutrina espírita, necessitamos agir de acordo com o exemplo deixado por Jesus, buscando não só em palavras mas principalmente em atitudes, agir conforme seus ensinamentos.




Um comentário:

  1. É muito melhor dar do que receber , a cada doação, nossa chama interior manifesta-se de forma benéfica ao nosso espirito , dar é melhor do que receber , levar é melhor do que guardar , estender é melhor do que recolher , a cada atitude desta nós ajudamos na transformação do planeta e auxiliamos os anjos em suas tarefas árduas , transferir e distribuir são ações de interesse universal , são atitudes meritórias a nós mesmos , guardemos em nós somente o que nos apazígua a alma e lancemos ao universo os filetes de energias necessárias para o continuo trabalho de todos nós que estamos na seara do mestre e irmão Jesus , lembremos , somos trabalhadores da última hora , discípulos do aprendizado e senhores na busca de conhecimento , para melhor servir os que na retaguarda buscam uma LUZ , e para auxilá-los no caminho certo , para saberem que somente conhecendo-se a si mesmos , conseguirão encontrar o verdadeiro caminho do crescimento evolutivo de si mesmo em cada encarnação .O apego deve ser forte naquilo que nos engrandece o espirito e fraco naquilo que nos faz dependente de algo transitório , ou seja na materialidade . Sigamos o exemplo da parábola " O Óbolo da Viúva " . E não esqueçamos,é na atitude em beneficio ao próximo que fazemos nossos hábitos serem corretos .
    Paz e luz a todos .

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário acerca do post acima.