Uma grande escola chamada Terra

Imagine, amigo leitor, uma escola. Nessa escola, como manda o padrão, todos os dias as matérias são ensinadas a todos os alunos que comparecem às aulas.

À medida que avançam no conteúdo, os alunos vão ampliando seu conhecimento, se desenvolvendo, vencendo as provas e se encaminhando rumo ao final do ano, onde serão aprovados e poderão avançar para a série seguinte.

Agora imagine que algumas dessas crianças decidiram que naquele ano não estudariam. Ficariam apenas brincando na pracinha do outro lado da rua, durante todo o turno da aula.

A pracinha possui muitos equipamentos e um campinho de futebol, o suficiente para entretê-los por um ano inteiro.

Porém eis que o fim do ano chega, e enquanto seus colegas avançam para a série seguinte, eles são condenados a repetir a mesma série. E assim acontece, ano após ano.

Um dia, seus ex-colegas estarão iniciando o curso superior, e eles, já quase adultos, continuarão desperdiçando seus anos enquanto brincam na pracinha.


E agora é o momento que você se pergunta: "Porquê ninguém deu um jeito nessas crianças? Elas desperdiçaram vários anos de suas vidas!"

Ou ainda:  "Isso jamais aconteceria, eles cansariam de brincar na pracinha no segundo ou terceiro ano..."


Acontece, amigo leitor, que esta história é a mais perfeita ilustração do que a maioria dos habitantes deste planeta faz com a sua vida espiritual.

Somos espíritos, e encarnamos nesse mundo de provas e expiações com o objetivo de nos desenvolvermos moralmente.

Infelizmente, nos distraimos nas pracinhas da vida com outras coisas, e esquecemos desse nosso objetivo inicial. Quando chega o fim da encarnação, enquanto que aqueles que se dedicaram avançam, nós continuamos presos no mesmo ponto, de onde teremos que continuar na nossa próxima encarnação.

E na próxima, novamente nos distraimos... E assim vamos por séculos e séculos estagnados sempre no mesmo lugar.

A Terra, enquanto planeta de provas e expiações, é um lugar formidável para desenvolvermos e lapidarmos as nossas virtudes, pois todos os dias somos submetidos a diversas oportunidades de utilizá-las, se assim for do nosso interesse.

A Terra é um lugar tão diverso e com tantas oportunidades, que estiveram encarnados ao mesmo tempo Hitler e Mahatma Gandhi.


A grande questão é: até quando vamos ficar brincando nas pracinhas? Quando levaremos o nosso desenvolvimento moral a sério? Quando que começaremos a nos dedicar, para que possamos chegar ao nível seguinte?

Não, ninguém vai chegar e nos sacudir pelos ombros gritando para que acordemos. Porém a vida, em suas inúmeras reviravoltas, sempre nos dá pistas quando estamos indo pelo caminho errado.

Que tal todos nós abandonarmos essas distrações e começarmos agora mesmo a nos dedicar?

Eu não quero ficar para trás (mais do que já estou)!

E você?


Comentários

Posts mais visitados

O óbolo da viúva - a verdadeira caridade

Os tormentos voluntários

10 coisas que aprendi com o Espiritismo

A preguiça também é uma falha moral

Fora da caridade não há salvação - A cada um segundo suas obras

Caridade, perdão e humildade

Não podemos servir a Deus e a Mamon

Como (e por que) me tornei espírita

Não torne seus problemas maiores do que são

A parábola do filho pródigo - e o que ela revela sobre nós