Últimos Posts:

Últimos posts

sábado, 22 de fevereiro de 2014

O que está por trás dos vícios? - Parte 2

Post correspondente ao dia 12/02.

Continuação do primeiro post sobre o tema: O que está por trás dos vícios? - Parte 1


Seguindo na linha de raciocínio do post anterior, agora vamos levar em consideração outro fator que também contribui para os vícios: a insatisfação humana.

Estamos sempre em busca de algo que nos traga a tão sonhada felicidade.

Só que como não sabemos que a felicidade vem da paz interior e da realização íntima, ficamos procurando-a nos mais variados lugares.

Alguns buscam na satisfação contínua de esportes radicais,  outros na satisfação das mais variadas formas de sexo, outros nas drogas, e a lista se estende sobre todas as atividades que possam provocar uma alta descarga de bem-estar (via liberação de hormônios), onde por alguns instantes sente-se a tão sonhada felicidade.

Isso até me lembra o comentário do personagem Toretto, do filme Velozes e Furiosos, onde o mesmo diz: "levo a minha vida 1km por vez e nada mais importa, pois por 10 segundos ou menos, eu sou livre".

E essa fala ilustra bem o nosso tema. Pois em todas essas atividades que geram as descargas de bem-estar, depois do momento de êxtase e alegria, tudo volta ao normal.

Para uma pessoa equilibrada, tudo bem, a volta-se a vida normal e equilibrada.

Mas para uma pessoa desequilibrada, infeliz, em que a vida é difícil e turbulenta, depois de passar o momento de êxtase, retorna-se para a mesma vida problemática.

Então, na ânsia de obter mais momentos de êxtase e alegria (na ilusão de que isso irá constituir a sua felicidade) o indivíduo começa a repetir as suas atividades que geram bem estar. Isso cria uma dependência química, não de substâncias externas, mas dos próprios hormônios.

Vamos supor que a atividade que gere êxtase a esse indivíduo seja um esporte radical. O indivíduo passará então a praticar esse esporte o máximo de dias possíveis na semana, e a cada dia tentará ir mais longe em seus limites. Desse modo, o que era para ser um hobby e uma diversão, torna-se uma compulsão e um vício, onde a pessoa pensa que o conjunto daqueles vários pequenos momentos de êxtase constitui a sua felicidade.

Com isso fica o indivíduo em um paradoxo: quanto mais se satisfaz, mais insatisfeito está. E esse ciclo torna-se uma prisão.

Podemos até mesmo citar o exemplo dos compradores compulsivos e dos acumuladores: muitas vezes a maioria das coisas que possuem jamais usaram. Foi apenas pelo curto e intenso prazer de adquirir aquilo.

Então, mais uma vez por trás da fragilidade emocional, em não sabendo como lidar com uma vida turbulenta, adquire o indivíduo uma conduta viciosa. A vítima iludida, pensa estar tendo momentos de felicidade, mas na verdade está cada vez mais prejudicando a si mesmo.

Tenho acompanhado na televisão em canais como Discovery e NatGeo programas que mostram as mais variadas compulsões que as pessoas adquirem. E quando são investigadas as causas, sempre esbarramos nos problemas emocionais.

Podemos então ver com isso que, como já mencionamos no post anterior, os problemas emocionais mal-resolvidos estão sempre por trás dos vícios.

Aí então se faz presente a velha frase: "conhece-te a ti mesmo". Saber identificar as suas próprias fraquezas, defeitos e vícios, por mais doloroso que seja em alguns casos, é o ponto inicial para começar o melhoramento interior. Esse sim levará até a felicidade.

E para concluir: não há problemas com hobbys, esportes e outras atividades que tragam bem estar. O problema está na relação que temos com essas atividades: são elas nossas ferramentas de entretenimento ou somos nós escravos delas?

Fica a reflexão.

Continuamos no próximo post.



Continua em:

O que está por trás dos vícios? - Parte 3 (final)


Um comentário:

Deixe seu comentário acerca do post acima.